segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Vácuo de minha alma


Quando te vejo no vácuo, que me falta neste vazio,
Que quase minha alma ecoa
Sinto estar sozinho parado não à toa
Mas sinto que pelo menos uma noite,
Não seria coisa ruim,
De boas risadas nos lembraríamos
Abençoaríamos cada sorriso
De ter-nos nos abraçado na emoção
Não nos instintos de ter-nos,
Lamentado a perda do momento a sós
E cada saudade batida,
No lugar da angústia,
Sentiríamos qualquer coisa boa...
Talvez a paixão,
Talvez o amor...
Mas será que ao nos fintarmos novamente,
Sentiríamos vergonha da luxúria?
Talvez mas esta vergonha vá e voa
E nos resta na vida séria
Os anjos sorrindo e dizendo
Vaz e ama incondicionalmente
E logo dividiríamos o mesmo teto,
A mesma cama,
Como se enrolados fossemos um só
Almas gêmeas que não se iludem
Encantam-se nas imperfeições de cada um
Frente a frente quando se encontram nuas...
Sabendo por que todos os dias
Pegamos os mesmo caminhos,
Cheio de dor andando nas ruas...


terça-feira, 13 de novembro de 2012

Ilusões dos detratores


Você prefere ser o detrator dos Santos
Em nome de Mamon
Que acredita ser deus de verdade
Você parece preferir ser cego,
Ao ver a lógica
Você prefere as suas orações decoradas,
Desbotadas pelo tempo dos charlatães
Ao se reformar intimamente
Você prefere os templos de ouro,
As ofertas, a quem se ilude e te ilude
Ao sair na chuva fria,
Para dar um sorriso ao um irmão de rua
Você prefere inventar coisas já inventadas
E fora de lógica
A contribuir e dar as mãos a quem não pensa como você
Você prefere os rituais,
Do que a prece sincera
Você prefere a tradição,
Do que a convicção
Você prefere os falsos profetas,
E os bezerros de ouro
Do que a caridade ao semelhante
Enfim você quer continuar a ser o morto
Enterrando seus mortos
Você quer lavar o corpo
E não tentar purificar o Espírito
Há milênios você dorme e fali,
E nem por isso Deus desiste de você...
Você volta e renasce
Quanta vez necessite
Até que a dor te lembre,
Que tudo o que viu era ilusão
E ao seu lado tudo foi sempre amor,
E de tão cego pelo egoísmo
Viveu e morreu o mesmo
Um ser miserável.
Até sempre,
Ninguém morre,
Todos crescem, vivem
Pra sempre,
Isso é o esquecimento da vida ruim
À volta, e a coroação.
Não sei se chamo, de felicidade verdadeira
Saber que existe o amor
Na Eternidade...
Ou se felicidade é saber que ninguém está,
Condenado ao sofrimento eterno da erraticidade
Ressurreição da matéria podre é quimera
Até porque sobraram somente os ossos
Viva de novo a vida em outro corpo,
Sendo o mesmo Espírito,
Viva a redenção
Viva a vida verdadeira
Por etapas
Depurando sua alma
Através da Reencarnação...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Francisco Cândido Xavier


Francisco Cândido Xavier
Chico Xavier
Chico Querido
Chico Caridade
Chico Amor ao Próximo
Chico Saudades

Chico Esquecimento de Si Mesmo
Chico Espírita
Chico Cristão
Chico Ecumênico

Chico Coração
Chico Obras
Chico Oração
Chico Irmão
Chico Ação

Chico Cidadão
Chico Servir
Chico Trabalho
Chico APÓSTOLO
Chico Intuição

Chico/Emmanuel
Chico Livros
Chico Psicografia
Chico Amigo
Chico Paz
Chico Emoção

Chico Companheiro
Chico Carteiro dos que Partiram.
Chico Irmão das Mãezinhas
Chico irmão dos animais
Chico da tarde, da noite, das manhazinhas.

Chico Vivo está
Chico não para de trabalhar
Chico Com Jesus está
Chico no Coração de Todos,
Os Homens de bem,
Eternamente Estará...

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Hei você


Hei você me conceda esta dança
Depois de anos,
Quando éramos crianças
Você me pediu nos bailes infantes
E eu me matei de vergonha
Você esnobou depois
E eu fiquei sempre te esperando
E o destino falou foda-se
E a vida passou
Sexo, drogas e rock´n roll
E te vi na internet
Que mulher linda perdi
Quase todos já são pais,
Menos eu
Quase todas já são mães,
Até você
Festival de rock,
Que poderia te ver
Não fui
E você virou uma sombra linda em mim
E eu mesmo virei uma sombra de quem fui
Se é que já fui algum dia
Vê você, eu não fui a vários lugares!?
Como poderia dançar contigo e dividir
Meus sonhos felizes!?
Se não conseguiria escolher nem um boa noite!?........
Fui a sua casa, e você adotou outra cidade
E eu, cai de novo no isolamento da multidão
Cheio de pânico que nunca cessava
E nem sei como é sua voz,
Conceder-me-ia uma dança,
Pra falar daquela noite eterna infeliz?
Depois iria embora pra onde nunca sai
E você pra onde sempre viveu a liberdade...
Até lá minha linda...
Em outro tempo e espaço
Apesar da idade...
Será que da, tempo pra felicidade?

Perdoar é abrir mão da tristeza



Perdoar é abrir mão da tristeza
Sorrir é abrir mão da solidão
Chorar é abrir mão da angústia
Namorar por um dia é sentir-se feliz
Casar é sepultar o amor
Trabalhar é ignorar a dor
Ser feliz é chorar
Ser triste é parar
E o dever de evolução,
De todos nós é amar...

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Meu poema, um dos quatro finalistas no mesa redonda pra concorrer a mini taça da libertadores do timão (não ganhei)


Corinthians
Do bom retiro, sob a luz dum lampião,
Erguia-se um time de futebol
Logo virou religião...
Com títulos, sem títulos, que importa?
Nos 100 anos de sua fundação,
Virou pátria, virou nação...
República Popular do Corinthians,
A América com você,
Não é mais a mesma...
102 anos se passaram,
Pra uma luta a mais te prepara
Entraremos com os raios do sol nascente
Do outro lado do mundo,
Desta vez no Japão,
Lá no oriente
Resultado?
Título?
Pouco importa...
Jogai por nós,
Amado Timão...

Declamado por Michelle Gianella...30/09/2012
Infelizmente não tem vídeo.

O Maior Brasileiro de Todos os Tempos

O Maior Brasileiro de Todos os Tempos







Paz e Luz Grande Chico Xavier, um dos maiores cristãos da História da Humanidade!!!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Escrever

Nunca falei de forma toda

Apesar de ser muito franco

Covarde foi os que me viram e riram

Quase ninguém conheceu o amor na Terra

E depois da passagem de alguém próximo,

É que choramos de saudade

Barulhento silêncio que nos torna débeis

Noite tumultuada de embriaguez e drogas

Polícia, sangue, morte, ilusão.

Corremos pro nada,

Sonhamos com tudo

E na realidade somos dor,

De expressão

A arte e a poesia nos vingam

E embora o espelho não nos queira bem,

O que botamos pra fora é o que mais nos orgulhamos

E o amor é eterno

A vida é eterna

E o que levamos

É a nossa arte e poesia

Que descobrimos ter,

Pós túmulo

E na terra se finca

Saudades...

Ah então é isso!?

Essa coisa que dói e não tem tradução

Chamada saudade, que chamávamos,

Todo tempo de amor!?

Sim, e a até a ciência é analfabeta,

Quanto a isso tudo...

Triste é acabar,

Lindo é evoluir pra poder amar,

Até sempre, meu eterno sonho,

De mais escrever, do que falar...

Leia e me conhecerá...



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

A Última Sesta (2018... 2050... 2300...?).


Comemos e dormimos durantes séculos e séculos
E acumulamos milênios de indiferença,
Frente às lições do Mestre
Do Sermão da Montanha a Última Ceia
Aproveitamos somente o dízimo
E a gula, depois a sesta de cada dia...
E glutões, de preferência aos sentidos.
Chegou à hora da prestação de contas
Quantos ajudamos?
 Quantos amamos?
 Quantos ouvimos?
Sua parcela de sorrisos?
Sua parcela de sofrimentos ao bem comum?
E quem deu mais?
Um sorriso ao um irmão de rua,
Ou o dízimo vigarista para ser rico(s)?
Na última Ceia do Mestre Maior,
Com seus discípulos,
Encontrou, Ele, o traidor.
E nós que achamos o Evangelho, linda poesia,
Superstição, ou indiferença...
Somos traidores que deixamos não só a “letra” matar
Mas o Espírito morrer, e a matéria viver de plásticas,
De futilidade...
E ficamos certos que a Última Sesta próxima está
Depois de comer e dormir,
Acordaremos com cataclismos
E onde estaremos?
“À direita” do Senhor,
Ou carregando tijolos,
Exilados num mundo mais primitivo,
A ser construído...
E o que será dos que amamos?
Saudade, sorriso, Alegria,
Ou longe de nós, em massa partindo...
Estaremos juntos já em Espírito mais leve,
Ou ainda vivendo de instintos?



terça-feira, 4 de setembro de 2012

Garganta ou provérbio!?



Haverei eu de ser e já sou
Alguém de coração
Bom em ajudar
E mau em receber algo
Serei a palavra certa
Vasta de moral e conhecimentos
E serei a palavra perversa que ataca
A pilastra que sustenta o sofrimento
E a lágrima que cai em desalento
Serei eu o sorriso feio e forçado
Mas verdadeiro
A transmitir paz as dores alheias
Serei eu operado espiritualmente
E não conseguir manter-me
100% em bons pensamentos
Serei eu a pedir ajuda,
E ajudar a pátria do Evangelho
Serei eu garganta ou provérbio!?
E quando retornar a Pátria verdadeira
E souber que evoluí 0,001%
Beijarei as mãos dos Mentores de Luz
Ao Mestre Jesus,
Meu reconhecimento eterno...

sábado, 4 de agosto de 2012

Fora do Clube


Não caso
Não tenho cash
Não caso porque hoje não há esposas
Há fêmeas
Não tenho filhos, por que,
Não teria quem os amamentar
Só pensando no seio de silicone aumentar
Não tenho conta em banco,
Nem carro...
Nem quero...
E o que me resta é escrever
E de seis em seis meses trabalhar
E tentar perdoar
Assim como peço ao Criador que me perdoe
E jamais me abandone,
Aqui existe crença e descrença
E eu vivo de poesia e amor
E o resto é só enfeite
Pra colocar arte
E nem penso em esconder o bolor das paredes
Escrevo pensamentos nelas, mesmo...
Fui
E, é só neste reino de pó (...).

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Timão e lusinha 2012


Fomos rever os Campeões da América e o nosso velho ídolo Dida na lusinha...

Vai Curintchá!!!


Bubu e Naty


Bubu meu queixinho
Naty meu cachinho
Bubu minha branquinha
Naty minha loirinha
Bubu meu limãozinho
Naty minha laranjinha
Bubu minha costelinha
Naty minha barriguinha
Bubu tem 5 aninhos
Naty tem 2 aninhos
Meus dois amores
Titiô ama vocês
Eternamente
Pelas duas dou meu coração
Meus dois anjinhos.

Matéria do jornal Agora SP de 2012




Em minha opinião de espírita estudioso
Este novo planeta descoberto no sistema solar
É provavelmente, onde os terráqueos
Que não se regenerarem, serão exilados,
Neste 3º milênio;
Quando a Terra já passa pela sua transformação
De planeta de provas e expiações, para
Um planeta de regeneração...
Como há milhares de anos atrás os Capelinos,
Foram exilados na Terra...
Sendo o Brasil segundo os Espíritos Superiores,
A Pátria do Evangelho, coração do mundo
Não me espanta que um astrônomo brasileiro,
Tenha descoberto... =)   


Outros Pensadores

“Fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão, face a face em todas as épocas da humanidade”.

Allan Kardec



“Se o ensino moral fosse discutido as religiões teriam alias, encontrado nele a sua própria condenação, porque a maioria delas se apegaram mais à parte mística do que a parte moral que exige a reforma de cada um”.

Allan Kardec


“Se não posso realizar grandes coisas, posso, pelo menos, fazer pequenas coisas com grandeza”.

J. F. Clarck


“Quando o ardor da minha palavra persuasiva do abismo obscuro do erro retirou tua alma, profundamente degradada, e quando cheia de uma dor atroz, torcendo os braços, mal disseste o vício, o vício que te havia fascinado, quando a tua consciência castigando, a existência passada renunciaste, e escondendo em tuas mãos teu rosto, de repente cheia de horror e de vergonha, tu choraste...”

Nekrássov


“Se todos os livros sagrados, de todas as religiões, tivessem se perdido, e só restasse
O Sermão da Montanha de Jesus, na verdade nada estaria perdido”

M. Gandhi



“Uma vida que não é pensada, não é digna de ser vivida”.

Sócrates


“A esperança é quando a dor presente nos faz tentar outra vez.”

Chico Science



“O Homem vive um grande conflito, o arrastamento animal pelo corpo; E a aspiração espiritual pela sua consciência.”

Roque Jacinto (livro: Reencarnação)



 

Sem falsete querida


Estamos de volta amor
Estamos a fim de diversão
E não sem antes o controle da dor
Podre é o “des-governo”
Mas estamos fora do perigo
Querida não se preocupe
Estamos apenas versando o que é a vida
Estamos de volta amor
De onde nunca saímos

Isto se chama rock ´n roll meu amor
Desta vez estamos cantando
Cantando sem a vergonha,
De um apetite talentoso
A revolução jamais acabou
Só a moda acéfala cegou
Tudo ficou por um tempo cinza
De inverno longo de tristeza

Sem falsete querida
Sem falsete seu trouxa
Sem falsete de condomínio
Sem falsete de zona também
Agora não,
Talvez mais tarde (...)
Nunca faltará luta...
Minha linda luz divina...
 

Quase creio escrevo

Eu escrevo assim, tão feliz...
Mas não passa disso amor [...]
E quando me olho no espelho
Dou graças a Deus,
Por ser perfeito
E ao mesmo tempo,
Me mal digo,
Por achar-me feio
Mas não tão,
De vez em quando creio [...]

Tenho ainda



Eu tenho simplesmente pânico,
E o que posso fazer!?
---- Com isso se a vida é eterna,
E sofreremos mais ainda...
Que os bois que vão pro abatedouro
Quem os leva lá!?
Somos nós mesmos
E se sofremos,
Porque ainda insistimos em comê-los?

Esqueça-te e lembra-me


Cobra-me os meus deveres,
Se faltar-te com eles...
Mas cobra-me mais ainda os meus direitos,
Se deles esquecer-me...
Pois encontrarei em ti,
O cidadão mais digno do mundo,
O justo...

Flores sem cor

Tomando uma coca
Na beira da estrada
Escrevendo um poema
Compondo um rock ´ n roll

De alegria e tristeza
Finda à tarde
E a sombra desce,
No começo da noite escura

E minha alma no meio do caminho
Fica obscura
Frente ao corpo denso
Que resiste a pesadelos
Flores sem cor [...]

Agora tudo é cinza e colorido
Nada é mais nosso
Percebemos que nunca foi
E nos resta à vida falsa
Vida esta que se foi...

Algum dia

Trago no meu rosto
A paz e a doença
De 90% do todo
A doença de ter de reencarnar novamente neste globo (...)
E ao passo que só sentir paz,
Sentirei a santidade,
Ao meu redor
E a iluminação em meu coração
E a sensação da realidade eterna
E a falência do que foi um dia,
E amanhã será a lenda da imaginação.



“Nascer, viver, morrer, renascer ainda, tal é a lei”.

Allan Kardec

terça-feira, 10 de julho de 2012

Campeão da América 2012

E no duelo do povo?


deu o povo brasileiro?


Não!


Deu o time do povo Corinthiano!!!


Pra tristeza dos anti - corinthianos fascistas...

Como ganhar do Boca: Mais informações acesse
http://www.corinthians.com.br/

hehehehe

Chupa!!!


Rumo ao Bi-Mundial!!!
Alguma dúvida sobre o nosso 1º mundial?

Confira e abra o link:
http://pt.fifa.com/tournaments/archive/tournament=107/awards/index.html

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Perdão, sem palavras[...]

Pensamentos [...] e me agrediram,


Aventureiras do ódio,


Querem cheque


Aprendizado pra ela,


Em cima de mim.


terça-feira, 19 de junho de 2012

Caos e Esperança

A esperança só existe no caos;
Na felicidade, essa palavra é
puro poema deserto de existência.



É certo

Haverei eu, de um dia estar certo;
então comprovarei que evoluí,
e nada na vida foi em vão,
principalmente o bem,
de dar a palavra certa,
que é o pão da alma.

Falhos

Falho
sou falho
e julgo
e sou julgado
faz parte,
da Terra
um joga lama n´outro
e o resto 
é sofrimento
porque ninguém,
se transforma
ninguém lava o rosto(...)
só quer o mal,
um do outro(...)

Ditadura Contemporânea

A ditadura da nossa geração
é a corrupção política;
nos anos 60, 70 e 80,
lutava-se para reabrir o congresso nacional
hoje o foco da nossa geração,
é o inverso ou seja fechá-lo,
pois está muito caro manter parasitas,
do suor e do sangue do povo brasileiro.


Sono de insônia

Durante o dia
preciso de cafeína (cola)
pra espantar o sono;
durante a noite
preciso de clonazepam,
amitriptilina e paroxetina,
para espantar a insônia.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Senda da esperança

Porque tanta petulância, Se daqui pouco, vamos embora! ? E quem fica, qual é a importância? Segui rumo à bondade E o que transborda nessa senda, É a esperança...

Por hora estranho mentes

Por hora Morri Porque jamais voltei a ter boa aparência E desde então sobrevivo De lampejos de vida notória Ando escondido, Atrás de quem aparece E se passa por mim, Há 18 anos Sem vida, simplória [...] E o que me manteve vivo, Todos esses anos, Foram as insignificantes glórias, Mas foram, são e serão por hora, Satisfatórias... Estranho Estranho Estranho eu Estranho o que fui Estranho quem sou eu Estranho quem se foi Estranho a todos Estranho Estranho as trevas Estranho a luz Estranho ainda sou(l) Estranho sou eu Estranho minha cruz Estranho os medos Estranhos às vidas Estranho o que estraga Estranho a batalha Estranho a guerra Estranho a paz Estranho a vida Estranho o mundo Estranho o que jaz Estranho, nada mais estranho, Ainda sou capaz, Capaz de estranhar. Mentes Nossas mentes não se tornaram criminosas, Pelo que descobriram E nos conhecemos “há tão poucos séculos” Pra dizer eu te amo... E de resto somos imortais... Graças ao amor... E tudo perde o sentido com o ódio E cegos tateamos armas no calor do escuro E surdos ouvimos só as vozes de assassinos, Que ainda sobrevivem em todos nós [...] Acabou tudo Menos a fé e o amor E se sobrou algo, Não foi terror Vou além, Quero amar ninguém ao certo Desprezo à dor, Ainda que ela insista Em sufocar a coragem de amar, No mundo moderno, Corajoso amor, Sentimento indolor...

Pensamentos frios iluminados cinzentos

Escrevo aqui pensando Porque neste frio de trabalho noturno, O que resta fazer é só pensar e escrever Nem os mosquitos hoje vieram banquetear-se do meu sangue gélido, E de cinza frio Neste frio de outono/inverno Vejo tudo fechado Ouço música em questão de auto esquecimento E as horas não passam Até a hora de ir embora o que faço? Penso e escrevo Pois frio está Muito frio e gélido é o vento Será que algum irmão desafortunado, sem casa sobreviverá? Não há outra coisa a fazer que pensar e escrever Pensamentos frios, Preocupados, cinzentos, Frios nevoentos Até quando, haverá esquecimento?

Eterno

Um encontro “fortuito” Um abraço, um beijo. De saudade nunca finda... A caridade é sublime, é paciente... O amor é mais bonito A paixão vazia de sentimentos, Só de atração, vive de sexo... E as almas afins (raras na Terra) Sofrem de amar Estarem juntas Até no meio do deserto... Eterno...

Dias iluminados

Os meus guias são iluminados Agüentam-me por Misericórdia Divina Entre meus pensamentos de sombra, Iluminam meu dia...

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Enfim...

Enfim desisto de amar qualquer mulher/ Amo sim o próximo/ É verdade que meu corpo ainda pede sexo/ E faço.../ Mas de forma geral já sou um homem do Universo/ Tenho a humanidade como irmã/ E de resto, sou ainda Homem de pouca moral,/ Embora sereno,/ Mas protesto!

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Drummond e outros...

Quem somos nós poetas? Dribladores da dor? Correspondentes da guerra dos sentimentos? Pensadores exóticos? Filósofos? Talvez... Talvez, alguns chegarão... Outros, nem Drummond...

terça-feira, 10 de abril de 2012

Volitações


Sonho e desprendo-me do corpo...
E volito tanto...
Em Espírito viajo,
Sem que os pés toquem o chão
Como é bom!
Desperto feliz
É uma coisa natural,
Pra mim este exercício na espiritualidade...
Quando semi - liberto do corpo denso, pelo sono...
Não sinto orgulho,
Sinto satisfação natural
Do ensino, posso dizer que me sinto bem...
Se eu ajudo ou só viajo pelo Universo,
Não me lembro [...].
Só sei que, angústia não sinto...
É a realidade de estudo e aprendizagem...
Embora o Espírito, já sabe,
Cada regresso a Pátria Espiritual,
É lembrança, é recordação,
É reaprendizagem...
Volitar é o exercício “físico da Espiritualidade”...

sábado, 31 de março de 2012

Ilusão



Ilusão

Quando iludimos alguém,
Somos nós os donos da ilusão
Portanto nós próprios os iludidos.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Idas e Vindas



Idas e vindas
De internação em internação
Idas e vindas
De intervenção em intervenção
Idas e vindas de encarnação em encarnação
E de tempestades de candura,
Fizeram-se todas estas (...).
E “ninguém” aprendeu (dia)
E em tempestades devastadoras
Só assim o ser humano (alguns)
Renovou (varam) seu coração...
Meu Deus!
De todas as caras e faces,
Num só rosto,
Do universo soberano
Dê-me um tempo
De construir minha vida,
Ante as aberrações burocráticas,
Desta vida física,
Que ainda pede o mundo errante (...).
Sou honesto
Minha precariedade é que detesto tudo isso...
E de resto, sou eu já um pouco bom.
Mas nesse mundinho hediondo,
Pra se ter acesso, ao sustento,
Tem que ter papéis, nomes, carimbos,
Não basta ser humano, ter vontade...
Enquanto isso somos palhaços pro congresso
Mas de idas e vindas,
Somamos vidas e vidas,
Em busca do progresso...


quinta-feira, 22 de março de 2012

Des (conectado)

De vagabundo escolar,
Totalmente desconectado com tudo aquilo que me foi apresentado,
Sabe lá por mais ou menos 15 anos em salas de aula, na adolescência,
Portador de depressão, pânico, ansiedade, palidez, olheiras profundas, obsessão e muito sofrimento [...].
Nesse meio tempo de anos me tornei um bêbado
E um fumante que acabava com um maço em três horas bebendo por alguns míseros anos, alguma diversão me salvou da morte...
Hoje sou enfermeiro, e um devorador de livros, seja lá de que assunto for...
Há nisso uma vitória em si mesmo, a parte o contentamento...
Eu só tenho a razão,
Em mim vive ela
De resto não me sobra mais
Aquele amor infanto-juvenil,
Que tanta alegria traz (ia)
Meu coração com relação a isso é gelo,
Já a um bom tempo,
Meu cérebro, apesar de racional é medo,
Sem emoção, sem aparência, sem dinheiro,
Sem espaço, sem tempo,
O que faço? Declaro-me, passo vergonha,
Ou morre por dentro de vez,
Meus parcos sentimentos!?
Ainda não sei, só sei que,
Não me mato nunca mais,
E parto pra vida vivendo...



sexta-feira, 9 de março de 2012

Progresso natural

Onde estavam todos?
Na ausência de ordem, todos pecaram?
Onde estão os livres e os de sorte de toda ordem?
Estariam eles atingindo a plenitude,
De que o planeta comporta?
E quantas viagens foram feitas?
E as novidades que foram antevejas...
É de ordem natural das coisas...
O pregresso das almas,
A este, afeitas...
E os pensamentos nascem na cabeça,
Pra viver eternamente, num papel,
Transcrito a pena...

Tribunal Verdadeiro

Se o tribunal da própria consciência
De nada te acusas,
Podes dormir tranquilamente.

Vou seguindo-te

Vou seguindo-te
E você a mim...
É bom que me vejas,
Com aparência doente,
Quase que o ano inteiro,
Quase que diariamente
Pois quando me olhar
Envolto em luz
Num dia certo de misericórdia
Haverá de maravilhar-se
Quase que eternamente
De certo ficarás cega,
Em segundos contentes
Correras para mim ou para paredes
De ilusória cor diferente [...].
Porque se amar de nada valesse,
Não teria o Mestre “expirado” na cruz
Porque o amor sublime é mais
Que os pobres humanos,
Ainda não entendestes [...].
Tempo muito longo
Indiferentes...
Até quando?
Perdermos os dentes!?

segunda-feira, 5 de março de 2012

Poder...

Poderia eu dormir agora
Neste fim de tarde
Mas preciso fazer o bem,
Depois do banho
Rezar, pedir, agradecer...
Com ou sem insônia
Deixa pra mais tarde,
Meia-noite
Sei lá, depois [...]
Qualquer hora...
Limpar a mente,
Antes de limpar o quarto
Na capital, resolver, problemas capitais;
Que por enquanto falta capital!
Deus nos ajude,
Sem ninguém saber,
Ainda que seja em cima da hora...

[...]

Unicidade de Existência

Se ao término de uma única existência, o Espírito fosse diretamente para o “paraíso”, estaria este cheio de hipócritas e o “inferno” cheio de ignorantes.


Começo

A caridade realizada com amor ao próximo, é o começo da felicidade, que ainda não é deste mundo.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Hiato de alento

Tirando-me tudo que sofri
Sobrei eu mesmo,
Com um hiato de alento
A descoberta do trabalho
O prazer de ajudar
A cada momento
Segue o prazo,
Sem saber até quando?!
Nem pensemos nisso
Ajudar é viver trabalhando.

Livro: Getúlio Vargas em Dois Mundos





Livro: Getúlio Vargas em dois mundos
Espírito: Eça de Queirós
Médium: Wanda Canutti

“Saio da vida para entrar na história”
“... Volto da história para ensinar a vida”.

Getúlio Vargas


O grande escritor português no Plano Espiritual ajuda Getúlio e escreve este livro sobre o ex - presidente do Brasil, Nos Dois Mundos físico e Espiritual.


A parte deste livro, um pensamento e uma vontade de Eça durante sua vida encarnada...

Eça de Queirós

“O que ele queria era uma igreja, sempre se repetindo, fora do tempo e espaço, a aventura divina de Jesus: O papa, seguido dos pobres e dos simples, fazendo milagres, crucificado todos os anos; Os bispos e padres, todos descalços, esmolando ou pescando em lagos da Europa. (...)”.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Acordando

Hoje acordei da risada, chorei [...].
Fiquei feliz, mas não deu fracassei [...].
Até quando o remorso?
Meus anjos, sou primitivo!
Mas cheio de amor...
Agora chorei, choro;
Não foi de tristeza,
Enxuguei as lágrimas,
E lá fui eu trabalhar...
E de emoção esperei,
Ainda espero alguém de vocês,
Seja qual for eu amo você(s)
Amém.
O casamento é o sepultamento do amor,
É lá que enterramos na rotina, o sentimento.
Pensamos somente em dinheiro,
O universo que existe dentro de nós, esquecemos!
E com os bens que adquirimos juntos,
Não somos felizes,
Tornamo-nos desconfiados, loucos,
De angústia sem a menor alegria [...].
Os filhos nos rodeiam,
Depois nos amam, casam-se...
Afastam-se, e depois de infância infeliz,
Quase em nos ter que nos ver “odeiam”
E caem no mundo,
Sem fé, cheio de vícios,
Os mais perniciosos deles, o casamento(s).
E quem sofre mais, são os filhos,
Que tem meio irmãos com cada pai, com cada mãe [...].
O túmulo do amor é o compromisso,
Que começa com o funeral chamado noivado...
Cadê o amor dos namoros?
Onde o amor da saudade?
E da surpresa dos encontros?
As crianças são puros anjos...
Brincam nos escombros que restou,
Do casamento dos pais...
É ai que acredito que o amor jamais morre,
Há guerra, há fome, há morte,
E as crianças não param de buscar a felicidade,
Na inocência de que tudo é eterno,
Estão certas elas,
Menos o sofrimento!
Este passa, ainda que por escolha nossa,
Perdurem séculos [...]

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A caminho da evolução...

Parei com festas
Que acabaram com meu coração;
Parei com vícios
Em que me escondera na ilusão;
Passei por dores
Que me salvaram
Da devastação;

Com uma prostituta,
Vivi “uma meia-hora”
Mais verdadeira da minha vida
Enquanto nas festas
Era só falsidade, distração.
Mentiras de noites de verão

O conhecimento e a auto-ajuda
Deram-me um pouco de paz
Que a tanto procurava...
Chega de depressão!

Por isso te digo,
Não casamos, nossa alma casou...
Não moramos juntos nossa alma casou...
Não se sinta só
Nem em sonho casamos
Nem na realidade tratamos
É ponto.
Hei de falar-te o que morreu na garganta
Hei de te mostrar o que escrevi
Não chore, não namore tanto...
Mas o que sou eu pra falar-te tanto?
Sou eu que sonho, e se for do que combinamos,
Herdarei tua companhia
O prazer do teu perfume
E a, meu lado, acabaras as olheiras,
Tuas insones
De tristezas de infância
Pobre de carinho
E se temos gente em comum
Já sabe faz tempo,
O que nem preciso falar-te
Mas precisas ouvir,
Eu te amo...

O mundo é novo
E o próprio já iniciou
Fora a violência,
O ultimato da própria consciência
Fique aqui, na nova era...
Ou retorne à selva (...).

Eu já senti tanta raiva, tanto ódio!
Eu já senti tanta dor, tanto vazio!
Eu já fui bonito, acreditem ou não!
Eu já quis me matar, eu já quis viver tanto...
Eu já tive medo, determinação...
E hoje sei que, tudo fui eu mesmo,
Com auxílio de terceiros,
Na sintonia da harmonia,
Ou de paixões de desejos!
E a desilusão passou...
E hoje sei que...

O Espírito é Luz,
E o materialista ainda rasteja na Terra
Você quer paz?
Mas será que aceita o perdão?
Ilumine seu caminho na fé,
Mas não esqueça da razão...
Você que em flashes vive na minha memória infante
Encontrei-te mulher depois,
Pra dizer o que foi em que ano...
Não sei desde quando
Eu te amo...

Guns N' Roses - Welcome To The Jungle (Ritz 88)




Só com rock `n roll pra espantar essa aberração de funk de m...