terça-feira, 14 de maio de 2013

Resgate de Coração


Em noite fria de outono
Meu coração foi alvejado por tiros
Não sangrou, já tinha esvaído todo sangue antes
Entrou o gelo da noite dentro das frias artérias de vento
A noite em que em transe de quase violência quase desapareci
Queria muito, apenas isto desaparecer...
Ora meus semelhantes ainda são julgados,
Por falta de beleza... e eu?
O que sou além de uma morada de tudo que já se foi!?
A humanidade choca-se com que faz!!!
Nenhum de nós possui nada,
Há não ser a falta de paciência e tolerância
E todos se acham virtuosos por ser honestos,
Por cumprir pura obrigação supérflua...
Ora, você ora?
Ora pra ter dinheiro!!!
E eu que sofri todos os sofrimentos espirituais,
Nunca me gabei, por me anular
E me arruinar pela poesia!
E por quem amo!
Mesmo de gelo o coração dói,
O cérebro pensa,
A humanidade unisse pelo lucro
E o que resta de todo resgate,
É o pesadelo!
Encarnações compulsórias
E revolta de ser feio,
E não enxergar o que te faz feliz
A vida, o amor ao próximo, enfim
Até mesmo a dor que ensina,
 A natureza, a luz do conhecimento que ilumina
Junto com amor que se transforma em sabedoria.


Um comentário:

Anônimo disse...

Parabéns!!!! Muito bom !!!!