sexta-feira, 28 de junho de 2013

Pra baixo e pro alto

Vivendo num deserto, de verdades
Um furacão fugindo do controle
E quase todos em férias permanentes
Sinto a dor da revolução
Sinto o sorriso irônico dos bobalhões
Sem fumo, sem álcool, sem drogas
Sem nada que me aliene
Cosplays de Che Guevara com smartphones, tomando todynho
Lutando por um país mais justo?
Ou por ideologias capengas?
Lutando contra a corrupção?
Ou deixando esse ódio em tudo?
Nas pessoas e em objetos inanimados, nossa frustração
Nisso sobrevivo e minha revolução é nas idéias do alto
Não me vendo, nem pro rico, nem pro barato
Aqui me despeço,
Vou embora, comemorar o que deu certo
E no que permanece errado,
É o reflexo do dia a dia,
Refletido no espelho despedaçado
Na lei de causa e efeito de todos nós,
Não só dos desgraçados.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

19 anos para sempre

19 anos para sempre
E o pesadelo nunca tem fim
Noites adentro, com mitos.
Vai e volta dessa vida sem títulos
Os merecimentos estão escondidos
Na alegria discreta do meu coração
E ninguém sabe até onde fui
E que nunca mais voltarei atrás
A lembrança dói feito fel
Em pensamentos de liberdade, felicidade,
E outros anos depois purulentos sem céu
O relógio já passa das 22:00 horas...
E o que posso fazer pra ser gentil com o mundo?
Obrigado passa rápido...
Sobraram poucas árvores que embelezaram
Os olhos da minha infância,
As casas antigas foram derrubadas
E onde estão as memórias do nosso chão infante?
E se não fosse pelas minhas filhas do coração,
Nada mais faria sentido estar aqui na Terra...
Mas irei, e voltarei compulsoriamente,
Se não for feliz, perdoando.
E agindo, ajudando.
E talvez não fugindo,
Não do destino,
Mas do amor a todos...
Dentro da alma,
Dentro do que sinto,
Dentro do que sou
Dentro do Espírito,
Pouco me importa,
As medalhas do corpo físico!