quinta-feira, 18 de julho de 2013

Estrada das lágrimas

Estrada das lágrimas
Estrada das lágrimas amargas
Em meio às matas sagradas
Morre aos poucos sonhos consumidos
Noites que foram de sonhos lindos
Sonhos de um mundo melhor
Sonhos de paz e justiça
Morre aos poucos meus amigos
Parte com eles algo de mim
Parte com eles tudo vivido por nós
Vive comigo, a angústia deles.
Sofre com eles, seus amigos.
Sofre com eles, seus irmãos.
Morre pra nós uma voz
Fica pra nós, o silêncio.
Participamos todos nós do sofrimento
Em vez de morrer, vem o autocídio.
Em vez de viver feliz, foge o raciocínio.
E nós com a prece sufocada por lágrimas
Merecemos tudo isso
Morre e vive dentro de nós todos
E escrever isso, é como cantar no deserto...
É apenas pra não ficar louco
Com o que fomos há pouco tempo
A adolescência morreu
Os sonhos foram juntos
Vão os que preferiram à morte,
Sofrem os que lutam por melhor sorte
E mesmo o mundo com sua natureza linda
Quem o contempla é o moribundo
É louco que teve tudo
É quem vai embora miserável sem rumo
E eu choro por todos, por tudo...


Nenhum comentário: