terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Ficaram as lágrimas

Como um velho esgotado da vida
andando por ai as vezes sem ter aonde ir
as vezes indo e vindo, lá e aqui
no paraíso vivo novo
e no paraíso perdido morto
como um louco que anda de carro de outros
olhando no retrovisor tentando parar de existir
retroceder 25 anos, sumir
gastando energia com tanta dor e tristeza
gastando saúde que já não se tem
discutindo política, filosofia de vida
sobre o que se foi e o que se tem
a mesma coisa de sempre, adormecida
de um futuro que não chega nunca
num eterno vai e vem
um só beijo pra mudar tudo
um só pensamento ativo de coragem
pra ver que não se tem
uma antiga sensação de amor que não vem
quase sempre sem dinheiro
quase sempre doente
nojo de sexo
fantasias de sexo nojento
suicídios diários de formas pensamentos
em orações de desespero
para que quase nada disso seja realizado
acabou o século XX
começou o terceiro milênio
acabou a felicidade na Terra
começou o expurgo de todas fantasias
escolhemos a dor para como resposta
e sabemos quando tudo isso bate a nossa porta
acabaram as esperanças
acabou a graça
acabaram os sonhos
ficaram as músicas, antes felizes
agora as lágrimas...

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Já se faz Tempo

outra de 2008

Leio, leio, leio...
Penso, penso, penso...algo,
alheio, vagueio... vago?
não, concreto!!!
Racionalizo, e já faz tempo
Retirei o véu de Ísis
e o tempo já se fez, cheio
chegado, aberto
A qualquer um,
já se faz hora, há tempo
O terceiro Milênio.

Última feliz chance?

(texto de 2008)

A contradição parece
Para minha felicidade,
Se aproximar
Alias é a última chance,
Que eu mesmo quero me dar
Mas ... seria mais uma decepção?
Olhar, olhar, olhar,
Como te olhei
Alias, por vezes trocamos olhares
Mas antes, quando ainda na nave religiosa,
Abracei-te, com um beijo no rosto,
Teu perfume, emoção senti
Só pode ser você
Como na foto que já vi,
Te reconheci e como já registrei, escrevi
Escrevo de novo
Sobre você bela mulher, bela menina
Hoje mesmo emocionado, em meio lágrimas
De um frio de outono cinza
Será que o futuro pode brilhar azul pra nós?
Será que fomos “solitários”,
E em meio a tédio triste, “morremos”,
Por alguns anos amargos dessa nossa vida?
Aprendizado na solidão
E aprendemos que a vida não é brincadeira
Do parco conhecimento que tenho,
Da sua infância desventurada,
E da minha adolescência sofrida de pânicos,
Faz-me acreditar,
Que ambos chegamos lá,
A nos espiritualizar,
De-me sua mão,
Quero beijar, meu sinal de respeito;
E de amor beijo teus lábios (ainda em sonhos)
Parece que meu coração já é seu
Já o teu não tenho ideia;
Será que nas “asas” das nossas almas podemos nos entregar?
Desculpe tantas interrogações,
É que em passado triste,
Em relação a amar,
Quis ser arrogante, e “acabei” “acabado” (...)
E hoje desiludido,
Quero, e faz tempo que não posso,
Ser correspondido
Se pedisse para você ser “minha”,
E você negar,
Já vou acostumado...,
Consagrar meus dias a estar sozinho
Mas te digo dói, mas dói,
De valeu a pena ter tentado,
Nessa última tentativa de ter amado
Pois na posição que me encontro,
Minha amada, seu nome ainda deixo só pra mim,
*** ***** :)

Eric Clapton - Tears in Heaven (Lágrimas no Paraíso) Ano da Música-1992 ...

Guns N' Roses & Elton John - November Rain (Legendado)

Aerosmith - I Don'T Want To Miss A Thing (Legendado)

Soul Asylum - Runaway Train



Trem Fugitivo

Ligo para você no meio da noite
Como um vaga-lume sem luz
Você estava lá como um maçarico queimando
Eu era como uma chave que gostaria de te acender
Tão cansado que não podia nem dormir
Tantos segredos que não pude guardar
Eu prometi a mim mesmo que eu não iria chorar
Mais uma promessa que eu não pude cumprir
Parece que ninguém pode me ajudar agora
Eu estou bem no fundo
Não há saída
Dessa vez eu realmente me perdi
Trem de fuga, nunca vai voltar
Caminho errado numa estrada de mão única
Parece que eu devia chegar a algum lugar
Por algum motivo eu não estou nem aqui nem lá
Você pode me ajudar a lembrar como sorrir?
Fazer Por algum motivo tudo parecer valer a pena
Como será que fiquei tão cansado?
O mistério da vida parece tão desbotado
Eu posso ir aonde ninguém mais pode
Eu sei o que ninguém mais sabe
Aqui estou eu apenas me encharcando na chuva
Com uma passagem para um trem desgovernado
E tudo parece simplório
Dia e noite, terra e céu
Às vezes eu simplesmente não acredito
Trem de fuga, nunca vai voltar
Caminho errado numa estrada de mão única
Parece que eu devia chegar a algum lugar
Por algum motivo eu não estou nem aqui nem lá
Comprei uma passagem para um trem fugitivo
Como um maluco rindo da chuva
Um pouco incomunicável, um pouco insano
É apenas mais fácil do que lidar com a dor
Trem de fuga, nunca vai voltar
Caminho errado numa estrada de mão única
Parece que eu devia chegar a algum lugar
Por algum motivo eu não estou nem aqui nem lá
Trem de fuga, nunca vai voltar
Trem de fuga, destruindo o trilho
Trem de fuga, queimando nas minhas veias
Eu fujo, mas sempre parece igual

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Brasil

Castro Alves - Por Chico Xavier

Brasil, o Mundo a escutar-te,
Pergunta hoje: “O que é?”
Ah! Terra de minha vida,
Responde às Nações de pé!
Das montanhas altaneiras,
Dentro das próprias fronteiras,
Alonga os braços - Sansão!
Sem prepotência ou vangloria,
Grava no livro da História,
Novo rumo à evolução!

Contempla a sombra da guerra,
Dragão do lodo a rugir,
Envenenando a Cultura,
Ameaçando o Porvir!...
Fala - assembléia de bravos -
Aos milhões de homens escravos
Sábios loucos prometheus...
Do píncaro a que te elevas
Dissolve os grilhões das trevas
Na fé que te induz a Deus!

Brada - gigante das gentes -
Proclama com destemor
Que o Cristo aguarda na Terra
Um novo mundo de Amor!
Ante a grandeza que estampas,
Os mortos voltam das campas,
Sublimando-te a visão!
Ao progresso Fernão Dias!...
O Dever mostra Caxias,
Deodoro a renovação!...

Dos sonhos do Tiradentes,
Que se alteiam sempre mais,
Fizeste Apóstolos, Gênios,
Estadistas, Generais...
De todos os teus recantos
Despontam palmas de santos,
Augusto pendões de heróis!...
Astros de brilhos tamanhos
Andrada, Feijó, Paranhos,
Em teus céus brilham por soes!...

Desde o dia em que nasceste,
Ao fórceps de Cabral
O tempo se iluminou,
Na Bahia maternal!...
Hoje, que o mundo te espera
Para as leis da Nova Era,
Por Brasília envolta em luz,
Que em ti a vida se integre,
De Manaus a Porto Alegre,
No Espírito de Jesus!...

Ao resguardar o Direito,
Mantendo a Justiça e o Bem,
Luta e rasga o próprio peito,
Mas não desprezes ninguém!...
Levanta o grande futuro,
Ergue tranqüilo e seguro,
A paz nobre e varonil!...
À humanidade que chora,
Clamando: “Senhor... e agora?!”
O Cristo aponta: Brasil!...


Do Livro Castro Alves Fala a Terra
Médium : Francisco Cândido Xavier
Poema psicografado em 15/abril/1976 em Brasília.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Memória Sombria


Acordem agora
Vocês me ridicularizaram enquanto eu morria
Eu não tinha condições de vida
E sofria sem saber o que tinha
E tenho sido uma sombra ambulante
Cheio de angustias
Arrastando-me com as correntes da escuridão que me acompanha
E vocês levaram o cadeado se trancafiando na falsa glória
Estou farto d ´eu mesmo
O tempo passou e eu passei
Morri de vez em vida
Mas nunca com covardia
De abandonar a vida física
Graças a Espiritualidade
Trazendo sempre notícias do Além
Aqueles que nos precederam na grande viagem
E alguns deles me arrebentaram de vez
Nesta existência
Não me perdoaram sabe lá do que fiz
Santo esquecimento reencarnatório
Vivo desde os 15 anos neste sanatório
Que já foi paz e alegria
Isso me salvou de não ir embora
Antes do tempo programado
Embora dez anos suicidando- me com álcool e cigarro
Não transpus a porta do Umbral do além túmulo
Como cego que leu vitória e só viu poesia
Santa bondade que tirou-me do caos da prática
E me deixou com as selvas densas de pensamentos - minhas
“Orai e Vigiai” - Imortal Palavra do Mestre
Conservou-me no vaso físico mesmo sem vontade
Mesmo assim morri em vida logo após a puberdade...
E estou esperando 1994 começar...
E já se passa mais de duas décadas sem ao menos um dia se quer eu parar de sonhar voltando ao passado
O tecido do tempo rasgar... (impossível)
Conservo o silêncio e o que me falta pra 5% da paz voltar é puro e simplesmente o ouro da vida, trabalhar!

Quem?


Quando você olha para dentro de si mesma,
Não percebe que a sua escuridão me segue!?
Você brincou com a vida espiritual,
E antes de você morrer, eu já estava morto em vida...
Não viu as correntes angustiadas que plantaram em minha sina...
Pensou prender outro, e eu fui sufocado compulsoriamente, numa vida feliz que tirou de mim, me usando de isca...
E eu desde lá tento estar ao sol, como se estivesse voltando ao passado rasgando o tecido do tempo
Hoje você é uma sombra suicida
E eu um angustiado saudosista
Quem morre mais por dia?

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Brasil - 2018

Hoje assistindo os comentaristas políticos falando sobre o quase assassinato do candidato Bolsonaro , foi de dar nojo. A maioria dizendo que o assassino é "Um lobo solitário, com problemas mentais pq afirmou que foi a mando de Deus" - Não que esteja eu surpreendido, pq os grandes órgãos da imprensa são puxadinhos do PT e Psol. Mas, é isso, o Brasil é um país à beira da demência onde os formadores de opinião agem, falam e escrevem como se fossem adolescentes mimados, onde professores universitários fumam maconha com alunos, onde temos "oficina de siririca" em universidades públicas, onde os Polícias e empresários são demonizados e os bandidos são glamourizados, onde a lei é careta e o malandro é fodão... Lula continua mandando e desmandando neste país desde 2003... Mesmo preso comanda os seus asseclas direto da cadeia igualzinho aos chefes do crime organizado que comandam o terror nas cidades brasileiras, com o tráfico, a violência, o sequestro... Só que o seu exército está na Mídia, nas Universidades, no MST, MTST, na OAB, nos tribunais, nos Blogs sujos, na classe artística, etc, etc... Verdadeiros Ratos que vivem a soldo do dinheiro público, enquanto mandamos currículos pra ganhar um salário mínimo... Assassinatos de quem vai contra estes interesses, incêndios a Museus, e a prédios públicos e privados, Black Bloks arrebentando e matando (um câmera da BAND morreu - LEMBRAM?) - e os assassinos disseram que quem os bancou foi o Psol... e passou batido... pq ai pode... Professores erotizando crianças de 6, 7 anos... Universidades formando um bando de idiotas, em vez de formar profissionais para o futuro do país... O Brasil beira a demência intelectual e moral, "NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS", o brasileiro foi tão demente....

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Amanhecer Espiritual

O mundo de formas
é o expurgo da Alma,
através de doenças na carne-psicossomáticas
Livrando-nos das nódoas  do Corpo Astral,
através do sofrimento na Terra,
purificando o Espírito Imortal,
À retornar vitorioso à Pátria Espiritual...

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

"O desespero da manhã, a melancolia da tarde e a esperança da noite. eterno ciclo de 24 anos... Na Terra todos vivemos de sorrisos e prantos"

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Paz é trabalhar


Se eu soubesse que este ano (1993) seria o último,
Impediria-te de fazer esse malbaratado espiritual trabalho... (mesmo não sabendo)
Que caiu em mim, errando o alvo...
Aos 15 anos completar
E meu inferno começar, sem paz nem par...
E você a divertir-se, brincando com a vida
E agora depois de anos morta-viva a convulsionar...
Tentando se matar,
Sem ao menos conseguir
E eu tentando viver,
Sem, contudo saber...
Certo é que continuamos ambos
Presos a ferro na Terra,
Embriagados e tristes sem saber seguir,
Com saudades do passado...
Tendo certeza ao menos – eu pelo menos – que amar aqui, só o próximo
Ser feliz só assim...
Perdidos no mundo – vivo sei lá como no século XXI,
Mas mesmo confuso,
Sei que aqui ou acolá
Aquém ou além
Descobri que mesmo triste,
 a paz é trabalhar...


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Triste-reza


Escadas caindo do céu noturno,
Mais uma noite de receitas de psicotrópicos
Carro vermelho desgovernado em chuva de verão – é fim de ano
É o recomeço do fim de tudo
Perdido sem saber aonde ir em meio a caminho sabido
Batida em ônibus popular
Chegamos ao hospital
Ali se perdera uma inteligência com a velha lobotomia
Mas por lesão cerebral
Incorporei-me de fé e ganhei 30 kg
Noite de Natal em um quarto de hospital
Chorando no banheiro,
Escondido da enfermaria escura e de meu pai que não era mais quem foi
Pedindo perdão a Deus, pela fraqueza de tudo o que eu era até o momento...
Quanta misericórdia, por um pequeno alivio na alma e no coração, que Deus mandou...
Mais de 12 meses e eu rompi com o passado de vez...
Morri de tristeza pela segunda vez...
Recuperei certa lucidez empapada de meio renascimento,
Já que a tristeza crônica nunca foi embora de vez.
2013...
2016...
2017...
Morri pela terceira e última vez... Em vida
Acabou todo recurso de voltar ao passado e ser realizado
Felicidade é um sorriso sincero em meio a tragédias que se acumulam pra quem está fora do páreo...
Encontros com amigos infantes nos mesmos sítios – me aliviam
E já se foram três anos... Viraram burocratas casados e eu parei no tempo...
De hospital a hospital
De velha futura modelo, nos anos 90
A loucura de velhos insanos companheiros
E alguns dos nossos pais já se foram...
Resta... Bom resta o bem...
E fazer algum trabalho digno para todos,
Aqui e no além...

terça-feira, 26 de junho de 2018

Meu sangue por isso como antes

Como se o tempo parasse nas teclas de um piano
com a mesma roupagem
com os mesmos anos
a felicidade eterna
dos mesmos dias
do mesmo sol
da infinita alegria...
da alegria dos 14 anos
e todos no mundo saberiam,
o que é felicidade,
sem organizar a vida
sem nenhum engano
ano após ano
os mesmo dias, dias de encanto
encanto de viver,
encanto de sonhar,
sonhar acordado,dormir sonhando,
viver sorrindo,
viver cantando,
em dois únicos anos,
a potência de uma vida,
que valeu - valesse por 100 anos...
de ruas juntas
de quatro casas irmãs,
nas glórias dos dias,
nas glórias da noite
tudo por isso novamente,
meu sangue por isso como antes...

sábado, 16 de junho de 2018

É... mas não estarei lá não!!! Porque meu corpo estará num caixão e espero minha alma acima de todas as putarias da minha mente enferma... espero que o meu pouco amor se sobreponha a isso tudo, as lutas d `eu mesmo...

sábado, 2 de junho de 2018

Os domingos deveriam morrer ao amanhecer...

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Sentidos e Sentimentos

Sinto gosto de sangue nas gengivas e céu da boca,
Açúcar demais no aguado suco de milho sem gosto
Depressão corrente em 24 anos nos mesmos sítios
1994 nem começou
Hoje tenho só 31 dentes
E tenho outro que está esburacado
Minhas olheiras seguem o padrão dos desequilibrados
Posso ter um surto psicótico a qualquer momento
Não sou uma pessoa normal
Sou feito de carbono que se desgasta faz décadas
Tenho 39 anos - 14 felizes, 25 na lata do lixo da Terra
Porém olhando a vida espiritual é o contrário...
Estarei eu sendo contraditório???
Não!!!
É apenas saudades de acordar feliz e ter tudo que me cercava
Estava vivo e não perdido
Hoje no mesmo lugar, perdido e sobrevivo...

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Tempo e Espaço

Senhor, só agora eu sei,
Eu sei que carrego a eternidade comigo
E foi preciso vinte e três anos para saber disso
Tirei o relógio do bolso
Tirei tudo de mim mesmo
Menos a saudade do passado

Continuo caminhando na mesma senda, Senhor
Como um Espírito esfarrapado
Todos arranjaram suas vidas
E eu estou a espera do passado
Cansado da mesma vida
Vivendo no mesmo espaço

E todos os outros, Todos, Senhor
Já deram voltas ao mundo
Com suas vidas sagradas
Em tempo de trabalho e feriados

E quando os revejo, Senhor
Eles estão cheios de novidade
E eu cheio de angústias e saudades
Tenho ideias, mas não tenho meios
Tenho evolução moral
Mas vivo na infância material

E agora é tarde demais Senhor?
Acho que ainda não é um bom dia pra morrer
Quero partir, recomeçar
Chega de passado, chega de chorar
É hora de viver feliz
Sem Tempo e Espaço.

sábado, 12 de maio de 2018

Existencialismo

Mesmo a Alma encarnada
em corpo perecível,
ainda que dormente em terrestre exílio,
não esquece seu verdadeiro estado,
O Espírito infinito...

domingo, 1 de abril de 2018

Ócio do Passado


Não olhe pela janela
Não há mais nada de ontem
Tudo se foi – ou quase
Como o tédio de ver,
Uma carcaça de barata ser devorada,
Por formigas sem casa...
Onde o ócio é a continuação da depressão,
Onde chuva e sol têm a mesma cor
Onde moramos a vida toda – eu
E já não conhecemos mais nada – nem nós mesmos
Há sempre ou quase sempre,
O desemprego e a falta de rumo – uma loucura saudável,
Para fugir da extinta vida mágica,
Que morreu cedo,
Aos quatorze do primeiro tempo...
E o tédio é a genialidade sem rumo,
E o amor uma esperança,
De entregar a espiritualidade de um livro
E sair da cama e de casa é heroísmo
E as crianças e os mecanismos das Leis Divinas,
E o conhecimento de causa e efeito Delas
É a força de salvar-me dia a dia do autocídio
E aos trinta e nove do segundo tempo,
Sinto-me envelhecido e sem forças
E se não fosse os anjos do Senhor,
Estaria eu nas ruas, vencido...

domingo, 4 de março de 2018

Últimas Palavras

Como um livro fechado, vinte cinco anos
Como um câncer em um cachorro velho,
sugando a vida da vida,
rastejando depressão e mistério...
Como um leão enjaulado,
sem os recursos antigos,
sem a jaula de antes,
pobre ironia é o que sou, o que me tornei...
O encontro das duas ruas da minha vida,
já são raras as árvores de antes...
e eu só recordo o lugar,
pelas poucas casas antigas que ainda resistem,
ás tristezas da vida de agora maldita!
Preciso virar a página,
dar fim as saudades das glórias passadas - felicidade...
e o encontro com testemunhas da alegria bendita vivida,
é um aceno de mão,
num sorriso gélido, triste sem graça, sem alma...
Querendo rasgar o tecido do tempo,
e voltar ao passado,
e se temos ilusão como esperança,
não temos nada mais do que loucura prestes a estourar,
É termos saudades eternas como herança...

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Hoje...

Não há nada de bom na Terra
não há nada de bom agora
o que foi bom, já foi
foi o passado...
já era essa Era...
e tão remoto que preciso ver fotos
fatos, hoje são pálidos
escuto os passos de mortos
escuto o plano do meu suicídio, feito por eles
e o autocídio de um espírita
é a descrença da matéria por um materialista
é a morte em vida
a quanto tempo, vago?
quanto tempo me disfarço?
a quanto tempo engano?
o presente é um sorriso sem dentes...
o futuro, um subemprego presente
e o passado uma miragem no deserto sorrindo com eles

sábado, 20 de janeiro de 2018

1991

Achei no forro do telhado de casa esse pacote da Ruffles que joguei lá em 1991, e resgatei em 2015...

quanta saudade, da felicidade...

sábado, 6 de janeiro de 2018