sábado, 24 de fevereiro de 2018

Hoje...

Não há nada de bom na Terra
não há nada de bom agora
o que foi bom, já foi
foi o passado...
já era essa Era...
e tão remoto que preciso ver fotos
fatos, hoje são pálidos
escuto os passos de mortos
escuto o plano do meu suicídio, feito por eles
e o autocídio de um espírita
é a descrença da matéria por um materialista
é a morte em vida
a quanto tempo, vago?
quanto tempo me disfarço?
a quanto tempo engano?
o presente é um sorriso sem dentes...
o futuro, um subemprego presente
e o passado uma miragem no deserto sorrindo com eles