quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Amanhecer Espiritual

O mundo de formas
é o expurgo da Alma,
através de doenças na carne-psicossomáticas
Livrando-nos das nódoas  do Corpo Astral,
através do sofrimento na Terra,
purificando o Espírito Imortal,
À retornar vitorioso à Pátria Espiritual...

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

"O desespero da manhã, a melancolia da tarde e a esperança da noite. eterno ciclo de 24 anos... Na Terra todos vivemos de sorrisos e prantos"

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Paz é trabalhar


Se eu soubesse que este ano (1993) seria o último,
Impediria-te de fazer esse malbaratado espiritual trabalho... (mesmo não sabendo)
Que caiu em mim, errando o alvo...
Aos 15 anos completar
E meu inferno começar, sem paz nem par...
E você a divertir-se, brincando com a vida
E agora depois de anos morta-viva a convulsionar...
Tentando se matar,
Sem ao menos conseguir
E eu tentando viver,
Sem, contudo saber...
Certo é que continuamos ambos
Presos a ferro na Terra,
Embriagados e tristes sem saber seguir,
Com saudades do passado...
Tendo certeza ao menos – eu pelo menos – que amar aqui, só o próximo
Ser feliz só assim...
Perdidos no mundo – vivo sei lá como no século XXI,
Mas mesmo confuso,
Sei que aqui ou acolá
Aquém ou além
Descobri que mesmo triste,
 a paz é trabalhar...


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Triste-reza


Escadas caindo do céu noturno,
Mais uma noite de receitas de psicotrópicos
Carro vermelho desgovernado em chuva de verão – é fim de ano
É o recomeço do fim de tudo
Perdido sem saber aonde ir em meio a caminho sabido
Batida em ônibus popular
Chegamos ao hospital
Ali se perdera uma inteligência com a velha lobotomia
Mas por lesão cerebral
Incorporei-me de fé e ganhei 30 kg
Noite de Natal em um quarto de hospital
Chorando no banheiro,
Escondido da enfermaria escura e de meu pai que não era mais quem foi
Pedindo perdão a Deus, pela fraqueza de tudo o que eu era até o momento...
Quanta misericórdia, por um pequeno alivio na alma e no coração, que Deus mandou...
Mais de 12 meses e eu rompi com o passado de vez...
Morri de tristeza pela segunda vez...
Recuperei certa lucidez empapada de meio renascimento,
Já que a tristeza crônica nunca foi embora de vez.
2013...
2016...
2017...
Morri pela terceira e última vez... Em vida
Acabou todo recurso de voltar ao passado e ser realizado
Felicidade é um sorriso sincero em meio a tragédias que se acumulam pra quem está fora do páreo...
Encontros com amigos infantes nos mesmos sítios – me aliviam
E já se foram três anos... Viraram burocratas casados e eu parei no tempo...
De hospital a hospital
De velha futura modelo, nos anos 90
A loucura de velhos insanos companheiros
E alguns dos nossos pais já se foram...
Resta... Bom resta o bem...
E fazer algum trabalho digno para todos,
Aqui e no além...