sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Triste-reza


Escadas caindo do céu noturno,
Mais uma noite de receitas de psicotrópicos
Carro vermelho desgovernado em chuva de verão – é fim de ano
É o recomeço do fim de tudo
Perdido sem saber aonde ir em meio a caminho sabido
Batida em ônibus popular
Chegamos ao hospital
Ali se perdera uma inteligência com a velha lobotomia
Mas por lesão cerebral
Incorporei-me de fé e ganhei 30 kg
Noite de Natal em um quarto de hospital
Chorando no banheiro,
Escondido da enfermaria escura e de meu pai que não era mais quem foi
Pedindo perdão a Deus, pela fraqueza de tudo o que eu era até o momento...
Quanta misericórdia, por um pequeno alivio na alma e no coração, que Deus mandou...
Mais de 12 meses e eu rompi com o passado de vez...
Morri de tristeza pela segunda vez...
Recuperei certa lucidez empapada de meio renascimento,
Já que a tristeza crônica nunca foi embora de vez.
2013...
2016...
2017...
Morri pela terceira e última vez... Em vida
Acabou todo recurso de voltar ao passado e ser realizado
Felicidade é um sorriso sincero em meio a tragédias que se acumulam pra quem está fora do páreo...
Encontros com amigos infantes nos mesmos sítios – me aliviam
E já se foram três anos... Viraram burocratas casados e eu parei no tempo...
De hospital a hospital
De velha futura modelo, nos anos 90
A loucura de velhos insanos companheiros
E alguns dos nossos pais já se foram...
Resta... Bom resta o bem...
E fazer algum trabalho digno para todos,
Aqui e no além...