segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Memória Sombria


Acordem agora
Vocês me ridicularizaram enquanto eu morria
Eu não tinha condições de vida
E sofria sem saber o que tinha
E tenho sido uma sombra ambulante
Cheio de angustias
Arrastando-me com as correntes da escuridão que me acompanha
E vocês levaram o cadeado se trancafiando na falsa glória
Estou farto d ´eu mesmo
O tempo passou e eu passei
Morri de vez em vida
Mas nunca com covardia
De abandonar a vida física
Graças a Espiritualidade
Trazendo sempre notícias do Além
Aqueles que nos precederam na grande viagem
E alguns deles me arrebentaram de vez
Nesta existência
Não me perdoaram sabe lá do que fiz
Santo esquecimento reencarnatório
Vivo desde os 15 anos neste sanatório
Que já foi paz e alegria
Isso me salvou de não ir embora
Antes do tempo programado
Embora dez anos suicidando- me com álcool e cigarro
Não transpus a porta do Umbral do além túmulo
Como cego que leu vitória e só viu poesia
Santa bondade que tirou-me do caos da prática
E me deixou com as selvas densas de pensamentos - minhas
“Orai e Vigiai” - Imortal Palavra do Mestre
Conservou-me no vaso físico mesmo sem vontade
Mesmo assim morri em vida logo após a puberdade...
E estou esperando 1994 começar...
E já se passa mais de duas décadas sem ao menos um dia se quer eu parar de sonhar voltando ao passado
O tecido do tempo rasgar... (impossível)
Conservo o silêncio e o que me falta pra 5% da paz voltar é puro e simplesmente o ouro da vida, trabalhar!

Quem?


Quando você olha para dentro de si mesma,
Não percebe que a sua escuridão me segue!?
Você brincou com a vida espiritual,
E antes de você morrer, eu já estava morto em vida...
Não viu as correntes angustiadas que plantaram em minha sina...
Pensou prender outro, e eu fui sufocado compulsoriamente, numa vida feliz que tirou de mim, me usando de isca...
E eu desde lá tento estar ao sol, como se estivesse voltando ao passado rasgando o tecido do tempo
Hoje você é uma sombra suicida
E eu um angustiado saudosista
Quem morre mais por dia?